Comerc
05
12
17

Alta deve ser puxada pelo risco hidrológico assumido pelas usinas hidrelétricas

0022

 

Os reajustes das tarifas de energia elétrica em 2018 poderão ter aumento médio de 12%, de acordo com estudo da Comerc Energia. A possível alta deve ser influenciada, principalmente, pelo risco hidrológico assumido pelas usinas hidrelétricas, que pode encarecer o custo da energia. Os eventuais aumentos devem afetar os consumidores cativos, que arcam com as tarifas cobradas pelas distribuidoras. É importante ressaltar que esse percentual de aumento pode ser ainda maior, dependendo do volume de chuvas de 2018. Se for baixo, deve prejudicar mais o nível dos reservatórios.

Outro fator de influência é o comportamento do consumo de energia no ano que vem, que deve depender do ritmo da atividade econômica no país. Se houver aceleração, aumenta a demanda por energia, o que pode elevar o custo de geração, se for necessário acionar térmicas, por exemplo.

Outro ponto relevante é a possibilidade de descotização da energia das usinas que renovaram a concessão nos moldes da Lei 12.783/2013, proposta na Consulta Pública nº 33/2017, do MME, ainda sem data prevista para ser implantada, pois depende de Medida Provisória ou Projeto de Lei.

Histórico de oscilações

A tendência de altas nas tarifas vem ocorrendo desde 2013. Uma análise da Comerc Energia revela reajustes superiores à inflação desde 2014, considerando as dez maiores distribuidoras do País por montante de energia. Em 2012, houve uma redução de 20% na maioria das tarifas, por determinação da Medida Provisória 579. No entanto, a situação de oferta de energia não era favorável à época, o que originou custos adicionais de geração, que acabaram sendo cobrados em reajustes futuros.

Em meados de 2013, as tarifas voltaram a ter altas acentuadas, até 2015. Confira:

Fonte: Aneel / Estudo: Comerc Energia

Fonte: Aneel / Estudo: Comerc Energia

compartilhe

veja mais panoramas

Panoramas
Panorama semanal


Tags